quinta-feira, 24 de julho de 2014

A morte ensina-nos que o Amor é perdoar mais do que vingar




Devemos cuidar de todos os que amamos.





O Amor faz com que a nossa vida continue a ter sentido.






Amor. Dói, muito.







Só as pessoas que amamos morrem. Só a sua morte é absoluta separação. Os estranhos, com vidas com as quais não nos cruzamos, não morrem, porque, para nós, de facto, não chegam sequer a ser.














A morte de um amigo é como uma amputação: perdemos uma parte de nós; uma fonte de amor; alguém que dava sentido à nossa existência... porque despertava o amor em nós.






É no coração que morremos. É aí que a morte habita.






Não é por respirar que estamos vivos, mas é por não amar que estamos mortos.


Ama-se por cima da morte, porquanto o fim não é o momento em que as coisas se separam, mas o ponto em que acabam.




Quando se ama, entrega-se a vida toda, ali, desprotegido, correndo o tremendo risco de ficar completamente só, assumindo-o com coragem