segunda-feira, 30 de janeiro de 2012


Rusga secreta, enorme janela aberta
Miss Slow Train Coming

Já não dá, ja não dei
Vamos gastar muita saliva


Ligo o piloto automático
No programa esquecer


Tanto mar tanto deserto
Mau passado futuro incerto
Não me digas que não

Tanto falar em surdina
Contigo e só triste sina
Só não me digas adeus

Vou viver outra vez
Renascer vou gritar
Nunca digas adeus
Vivo numa ilha sem sabor tropical

Se o amanhã perdido for overdose de pavor
Eu serei a gorda tu serás a magra
A sorte porca e tu a paga
Serei quem peca mas serás quem paga
A vaca louca e magra


Sinto-me uma fotocópia prefiro o original


Prometo não falar de amor de gostar e sentir


Falha humana
Foi falha do Criador



Todos podemos pensar seja o que for de todos
Todos podemos ver seja o que for em todos
A felicidade é estúpida e só nós o sabemos
as dissimulações implicam o choque frontal
as nossas prestações conduzem ao choque frontal


Zangado, bem vindo ao passado
Pecado, arrependido, queimado

E só quando quiseres pousar
A paixão que te roer
É o amor que vês nascer
Sem prazo, idade de acabar
Não há leis para te prender
Aconteça o que acontecer

Salto o muro, cuidado com o cão
Vejo onde ponho o pé, iço-me a mão

Sempre que fui combater rastejei pelo chão
Pago um preço dou um sorriso