quarta-feira, 20 de maio de 2009


Obrigado Tuga pelos comentários simpáticos

Estas linhas que hoje escrevo São do livro da memória Do que eu sinto

Nos sentimos os dois

Faz me chegar perto de ti

Tive medo de acordar

Olha se vês minhas terras,ou reinos de Portugal

Adeus meus senhores Passem muito bem

Truz, Truz, Quem está aí? Aqui não está ninguém

À morte ninguém escapa Nem o rei nem o papa

Por isso não me zanguei

Ninguém Ihe ganhava

Tenho fome calha bem

Tenho fome calha bem

Nós somos sempre limpos

Os dentes bem lavados

Ja não preciso de ir para a escola Nem a pé, nem de camioneta

Na banheira dou mergulhos Sou como um peixe no mar

Esse passarinho tem penas amarelas, ai ai ai que lindas penas

Dei um nó numa pontinha