domingo, 1 de setembro de 2013

Só usas acordes que sabes de cor


Porque entendeste o que não disse


já eu te amava sem saber.





É por aqui que se começa
Pela fúria de começar
Com os erros que fizer
Só meus, só meus, só meus
Tão meus



Tarde de mais compreendi
Qual a tua intenção...






Senhores empertigados
Ofereciam rebuçados

Se tiveres que fugir, foge







Ali estavas outra vez comigo,
sem saber explicar,
se era prémio ou se era castigo.

E abrir-lhe as portas de par em par


Recordo-me hoje vagamente




Toda a gente já enlouqueceu
Sem saber porquê e se perdeu

vem quero-te ver quando regresso



Não olhes para trás


Então Chorei E até pensei: "Amar assim para quê?"


O teu focinho é que não me engana.


Vou pegar na tua mão


Fechei a porta onde não mais quero entrar.




E no silencio da noite já a lua ia alta




O que é preciso para ser feliz?