segunda-feira, 7 de julho de 2014

"Se não confiares o suficiente nas pessoas, elas não poderão confiar-te nada."




Quem não desconfia de si, não merece a confiança dos outros.












Nunca confie em alguém que fale bem de todos.









Confia em ti primeiro e em ti depois



"A maior parte da nossa confiança nos outros é frequentes vezes constituída de preguiça, egoísmo e vaidade: preguiça quando, para não investigar, vigiar e agir, preferimos confiar em outrem; egoísmo quando a necessidade de falar dos nossos negócios nos leva a confidenciar-lhes algo; vaidade quando uma coisa nos torna orgulhosos. No entanto, exigimos que se honre a nossa confiança."








Quem tem culpas desconfia de todos.









Presta confiança às acções dos homens, mas não ao que eles dizem.









Quem perdeu a confiança não tem mais que perder.