segunda-feira, 29 de julho de 2013

Aparece um que me pergunta pelos outros







Quase tudo às vezes é tão pouco
Quase nada às vezes é ter tanto
Livre é ser a água no deserto

Há sempre em ti aquela luz que chama
O quente que se ama

Tiras retratos ao que olhas mas não vês.






Dez vezes alegria.





Ele há lá
Ele há lá prazer maior
Do que o quanto pior quanto melhor.

Às minhas costas estão aqueles que eu não vejo à minha frente














Por este dia hei-de fazer e desfazer O teu aviso


Em cada tarde desta vida que escolhi















E há harmonias
Que se aprendem nas coisas mais frias

E espalhou aos quatro ventos os risos e os lamentos