quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Assim é o amor: mortal e navegável.




Quando a ternura parece já do seu ofício fatigada








Sou eu, desde a aurora, eu — a terra — que te procuro.


Não voltarei ao leito breve onde quebrámos uma a uma todas as frágeis hastes do amor.






Não colecciones dejectos o teu destino és tu














Assim se morre dizias tu Assim se morre dizia o vento acariciando-te a cintura




são a grande razão, a única razão.









Amo-te... E entram pela janela as primeiras luzes das colinas.