terça-feira, 26 de janeiro de 2010


A verdadeira riqueza de um homem é o bem que ele faz neste mundo.

(Maomé)

Na verdade não é a penúria que produz a avareza, mas sim a abundância.


A civilização é uma ilimitada multiplicação de necessidades desnecessárias.

Para a nossa avareza, o muito é pouco; para a nossa necessidade, o pouco é muito.

(Séneca)

O mais rico não é o que mais tem, mas o que necessita de menos.

Quem abre o coração à ambição, fecha-o à tranquilidade.

(Provérbio Chinês)


O avarento não possui as suas riquezas: são estas que o possuem a ele.

Algum dinheiro evita preocupações; muito dinheiro atrai-as.

(Confúcio)



Os nossos desejos são como crianças pequenas: quanto mais lhes cedemos, mais exigentes se tornam.


(Provérbio Chinês)

Depois de nos precavemos contra o frio, a fome e a sede, tudo o mais não passa de vaidade e excesso.

(Séneca, filósofo e poeta romano)

Existem pessoas tão sumamente pobres que só têm dinheiro.


Não estimes o dinheiro nem em mais nem em menos do que aquilo que vale, porque ele é um bom servo e um mau amo.

(Alexandre Dumas)

Muito dinheiro e pouca educação é a pior combinação.

Os que acreditam que com dinheiro tudo se pode fazer, estão indubitavelmente dispostos a fazer tudo por dinheiro.

Só o tolo confunde o valor com o preço.


O rico enche a bolsa de moedas e a alma de preocupação.

(Santo Agostinho)

Todo aquele que possui coisas de que não precisa é um ladrão.

(Mahatma Gandhi)

Pouco importa quanto tens. O que importa é o que tu és.

(Santo Agostinho)

Uma pérola preciosa é mais valiosa que pão, mas em caso de fome o pão deve ser preferido.(S. Tomás de Aquino)

Mesmo que tenhas dez mil plantações, só podes comer uma tigela de arroz por dia; ainda que a tua casa tenha mil quartos, nem de dois metros quadrados precisas para passar a noite.
(Provérbio chinês)

Só muito remotamente a felicidade tem relação com conforto material, dinheiro, prazer, desejos satisfeitos. Resulta da fidelidade esforçada àquilo que a nossa consciência nos dita. É o fruto sem preço de um comportamento correcto.


Quando trabalhamos só com mira nos bens materiais, construímos nós próprios a nossa prisão. Encarceramo-nos, sozinhos com as nossas moedas de cinza, que não compram nada que valha a pena viver.

(Saint-Exupéry, Terra dos Homens)

O dinheiro pode comprar uma cama, mas não o sono;

livros, mas não a inteligência;

alimentos, mas não o apetite;

uma casa, mas não um lar;

medicamentos, mas não a saúde;

luxos, mas não a cultura;

divertimentos, mas não a felicidade;

um passaporte para qualquer lugar, mas não para o Paraíso.