quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

O que verdadeiramente nos mata, o que torna esta conjuntura inquietadora, cheia de angústia, estrelada de luzes negras, quase lutuosa, é a desconfiança






Sem comentários: